Vestibular 2° Semestre 2022
    Administracao 50 anos
    P
    Formulário - Covid-19 Alunos
    Movimento e Sa
    Campanha Institucional Unifipa - Excelência
    Cursos Livres 2022
    PROUNI 2022
    Guia de retomada segura das atividades
    NAP 2022
    A Unifipa na palma das mãos. Baixe agora o aplicativo EduConnect
    Unifipa entre as melhores. Nota 4 no MEC.
    Manual do Médico Residente - 2021/2022

Últimas Notícias

15
ago

Enfermagem UNIFIPA realiza Semana mundial do aleitamento materno

Em comemoração à Semana mundial do aleitamento materno, no último dia 11 de agosto, o curso de Enfermagem do Centro Universitário Padre Albino/UNIFIPA e a coordenação da Maternidade e Banco de Leite do Hospital Padre Albino realizaram o VI Simpósio de Aleitamento Materno no Anfiteatro Padre Albino com palestra da Profa. Dra. Denise Gonzalez Stelutti de Faria “Fortalecer a amamentação: educando e apoiando”. O evento contou com cerca de duzentas pessoas entre estudantes, egressos e profissionais da área. Entre 9 e 12 de agosto, alunos da Liga Materno Infantil, em parceria com a coordenação de Enfermagem da Maternidade e Banco de Leite, promoveram capacitação de funcionários da área Materno-Infantil do Hospital Padre Albino sobre aleitamento materno.
15
ago

Santa Adélia recebe o 4º Movimento e Saúde da Educação Física UNIFIPA

No próximo sábado, 20 de agosto, acontece a 4ª edição do projeto “Movimento & Saúde” do curso de Educação Física do Centro Universitário Padre Albino/UNIFIPA das 9h às 12h na Escola Adelino Honorato Bertolo, na cidade de Santa Adélia-SP. O evento visa incentivar a prática de diferentes esportes, promovendo a saúde e qualidade de vida da população através da apresentação de diferentes modalidades esportivas. No encontro serão feitas avaliações físicas de percentual de gordura, flexibilidade, glicemia e pressão arterial e os avaliadores darão dicas de hábitos saudáveis para os participantes. A Prefeitura de Santa Adélia fornecerá água aos participantes e fontes de energia para o evento, que terá apoio da Guarda Civil Municipal. A UNIFIPA garante a estrutura de som e os monitores das atividades, coordenadas por professores do curso, com auxílio de alunos. Os responsáveis pela ação são o Prof. Me. Igor Augusto Braz, coordenador do curso, Prof. Me. Marcus Seixas, Prof. Me. Fernando Varoto e Prof. Mdo. Alexandre Mendes, todos docentes do curso de Educação Física da instituição.
15
ago

O professor e o estudante surdo nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Tema de conclusão de curso de egressas do curso de Pedagogia/Unifipa, que trata a inclusão do estudante surdo no ensino fundamental e as problemáticas sob a perspectiva do docente, é publicado em revista científica acadêmica. O artigo científico “O estudante surdo nos anos iniciais do Ensino Fundamental: um olhar docente”, que tem como autoras egressas do curso de Pedagogia da UNIFIPA, foi publicado na Revista Interciência, do IMES Catanduva. A revista prioriza a publicação de resultados de pesquisas originais que não tenham ainda sido publicados e que tenham relevância para a comunidade científica. O artigo foi resultado de pesquisa científica realizada em 2020 das atividades de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) pelas então alunas Ana Carolina Guedes da Silva e Gabriela Guerra Pereira, tendo como docente orientador a Profª Lidiane Augusta Ferrari Botteon. “Considerando o direito de todos os estudantes ao processo de ensino-aprendizagem, o artigo contribui para a área da educação escolar na medida em que traz resultados significativos quanto a importância dos processos comunicativos como parte fundamental na aquisição do conhecimento”, disse a coordenadora do curso de Pedagogia/Unifipa, Maria Sílvia Azarite Salomão. Os dados foram coletados na cidade de Catanduva, através do contato com a Secretaria Municipal de Educação, que autorizou a pesquisa, levando em consideração os docentes dos anos iniciais que tenham em sua sala de aula alunos com surdez severa/profunda sem terem implante coclear. Os resultados constantes no artigo apontam que os  docentes  são  engajados  nas  atividades  pedagógicas  destinadas  a  esses  alunos,  mas  apresentam dúvidas e dificuldades advindas da falta de recursos, do não domínio do uso da Língua de Sinais e da inexistência de intérpretes. Dos professores entrevistados, o obstáculo citado foi a falta de intérprete na sala regular, todos consideram o ensino em Libras e o intérprete fundamentais como parte do currículo, contudo, acreditam não ter proficiência suficiente, além da falta de intérprete nas escolas. “O meu maior desafio é não ter uma intérprete em sala de aula em tempo integral que possa fazer a comunicação adequada entre mim e o aluno. E a falta de material fornecido com as adaptações necessárias para garantir o ensino aprendizagem”, foi uma das respostas. “Tenho grande dificuldade em adaptar o conteúdo para o aluno, pois como a escola não possui intérprete o aluno falta bastante e quando aparece na escola é agressivo e se recusa a fazer a maioria das atividades”, apontou outra resposta. Estudos  sugerem  que  estudantes  com  deficiência  se  beneficiem  do  ensino  regular,  pois  é  através  das situações pedagógicas e do reconhecimento das vivências de cada um que a inclusão de fato ocorre. Com relação a interação do aluno surdo com os demais colegas e membros da escola o estudo sinaliza que há bom acolhimento, como aponta a resposta: “As crianças acolheram o aluno de uma maneira fantástica! Todas as canções, poesias, a rotina da sala foi adaptada em Libras. Esses são os momentos mais esperados pela turma; o aluno sempre, mesmo com a cuidadora pessoal, trabalhou em pares e grupos, com muito apoio e interesse dos colegas.” “Por fim, não é nosso intuito culpabilizar, seja o professor, a escola, as políticas públicas ou a sociedade, mas mostrar sob a luz do trabalho dos professores e suas próprias perspectivas e expectativas questões práticas atinentes aos estudantes surdos participantes de salas de aula regulares”, disseram as egressas em suas conclusões. O estudo na íntegra pode ser consultado nas versões português e inglês pelo link:https://bit.ly/RevistaInterciencia_PedagogiaUnifipa
15
ago

Colégio Catanduva leva alunos à UNIFIPA para participarem de encontro sobre jogos digitais

No próximo dia 17 de agosto, os alunos do Colégio Catanduva participarão do projeto ‘Gameficação na aprendizagem - o mundo virtual no auxilio no conhecimento real’, com o professor Lucas Limone Goncalves, das 15h às 17h15, no Campus Sede da UNIFIPA. A atividade é parceria entre o Colégio e o Centro Universitário e será realizada quinzenalmente, às quartas-feiras, até novembro. O projeto especial, oferecido gratuitamente aos alunos do Ensino Médio, proporcionará maior interação social e participação em sala de aula, criatividade, autonomia, colaboração, diálogo, motivação para organização, desenvolvimento dos conteúdos acadêmicos, estímulo ao protagonismo e desempenho das competências socioemocionais utilizando jogos digitais no processo de ensino aprendizagem.